Há pessoas que querem ser BONITAS pra chamar atenção, outras desejam INTELIGENCIA para serem admiradas, mas existem aquelas que cultivam a alma e os sentimentos e então alcançam o carinho de todos, além de belas e inteligentes tornam-se realmente PESSOAS.







14 de agosto de 2016

Carta para um ex namorado


Olá querido ex-namorado,
Em primeiro lugar parabéns. Parabéns por teres abandonado quem mais te amava neste mundo. Parabéns por teres deixado quem dava tudo por ti, mesmo sem poder dar. Parabéns por escolheres viver uma vida longe de quem te ama, parabéns por te esqueceres de quem te dava não uma estrela, mas sim uma constelação. Parabéns por seres tão bom ator visto que encenaste tão bem o teu papel, e parabéns também por me enganares tão facilmente. Parabéns pela tua capacidade de esquecimento, e parabéns pela força de vontade de ficares comigo.

E agora vem a parte dos agradecimentos: Obrigada, por me ensinares a viver sem ti, a viver sem algo que eu achava que era insubstituível, mas se tornou substituível, não porque te quis trocar, mas sim porque fui obrigada a fazê-lo, obrigada por me dares a escuridão, e perceber que nela encontrava o meu refúgio. Obrigada por me teres dado de novo a angústia de ter mais uma perda, e perceber que elas são necessárias. 

Obrigada por escolheres deixar-me quando era a última coisa que dizias fazer. Obrigada por teres prometido ficar comigo, e teres ido embora. Obrigada por me fazeres tornar mais forte, e capaz de enfrentar o mundo.

E agora um obrigada especial: obrigada por me mostrares quem realmente és, a pessoa que escondes atrás dessa personalidade tão calma que é capaz destruir como um terramoto. Não te vou pedir para esqueceres o que passamos, porque já o fizeste. Mas eu vou dizer te a verdade. É verdade que eu podia desejar-te cascas de banana no caminho, poderia rogar-te pragas, e rir-me das tuas desgraças. Mas eu prefiro fazer de conta que não existes. É melhor para o meu psicológico, esquecer tudo que me fizeste, de bem e de mal. 

Não vou mentir, amei-te. Pedi muitas vezes de pés juntos que desse certo, era 1 a lutar por 2 , nunca daria certo. Eram dois corações, mas só um acreditava. E hoje chegou o teu dia. Como te sentes longe de mim? Não pões a hipótese de poderes ter passado este dia a meu lado? Pois é. Foram juras, foram promessas deitadas pelo ralo juntamente com todas minhas lágrimas. 

Penso que jamais terei palavras para ti, foram ditos mais de 5 dicionários e nenhuma palavra te fez ficar e por mais motivos que podia descrever, termino esta carta a desejar-te os parabéns, parabéns e felicidades ao lado daqueles que “dizem” amar-te, parabéns e obrigada por tudo e por nada, por tudo o que podias ter feito e não fizeste, e pelo “nada” que fizeste por mim.

Carta para um pai ausente



Oi Pai, quem te escreve é uma filha necessitada. Não, não estou passando fome, nem frio. Tenho um teto para morar e uma cama para dormir. Também tenho uma mãe que me ampara, mas não te escrevo para falar dela. Te escrevo para falar te ti. Da minha necessidade mais recorrente e mais sentida. 

Necessito de ti, pai. Necessito do seu carinho, do seu amor, da sua atenção, do seu afago, do seu toque. Necessito do seu olhar me dizendo que está tudo bem. Necessito da sua mão firme para que me apoie caso eu tropece. Necessito do seu colo para quando eu chorar. Necessito da sua paciência para quando eu perder a minha. Necessito da sua reprovação para quando eu errar.

Necessito do seu exemplo para que eu aprenda. Necessito do seu cheiro para saber que tenho você por perto. Necessito da sua risada para eu sentir que a vida pode ser leve. Necessito dos seus conselhos na hora da dúvida. Necessito da sua presença. Simples, pura e incondicional. 

Não olhe para essa carta pensando que estou pedindo muito, pois não estou. Você pode estar dando o seu melhor, mas eu sei que você pode mais. Muito mais. Eu só te peço que venha sem medo, sem preconceito e sem armaduras. 

Ainda moro no mesmo lugar e tenho o mesmo telefone. Me visite. Me ligue. Me ame.

Saudades!
De uma filha que sente sua falta,
Dalila Maitê.

Carta da filha de outro pai



Oi pai. Hoje o dia é reservado a você, mas se você está lendo isso, é bem provável que não seja o meu pai, o meu não é muito ligado em redes sociais.
Talvez você não saiba, mas você é o primeiro homem da vida da sua filha. Sua postura em relação a ela, a afetará de maneira positiva ou negativa pra sempre. É com você que ela saberá diferenciar o príncipe do sapo e, através de você ela se tornará uma mulher forte ou não.
Ser pai não é só fornecer um espermatozoide e achar que todo o trabalho está concluído. Na verdade, esse é só o começo. Ser pai é fornecer amor, cuidado e proteção no dia a dia. É fazer de tudo para que sua filha não seja magoada, mesmo que isso aconteça muitas vezes, por mais que você tente. É livra-las da decepção, e não, ser a decepção da vida delas.
Sabe pai, talvez você ainda não tenha percebido, mas ela é uma princesa. Trate-a como tal! Ela é só uma menina e não tem culpa do que deu errado em sua vida ou no seu casamento.
Talvez você não a tenha por desejo, mas aconteceu. Ela foi gerada de uma maneira assombrosa e o próprio Deus a formou no ventre da mãe. Admire-a como uma criação do céu.
Leve ela pra passear, ande de mãos dadas, tire fotos, sinta ciúmes. Elas crescem rápido e por isso precisam de uma base forte. Estruture-a sobre o amor, não sobre o medo.
Trate-a de uma maneira tão cuidadosa, que quando ela te olhar, sinta-se segura. Não perca a admiração dela.
Pai, talvez você não tenha tido um pai presente e não faz ideia da sua importância na vida dos seus filhos. Se esse for o caso, inspire-se em Deus, ele é o seu Pai e é o Pai deles também. O Papai do céu.
Certamente eu não sou sua filha. Mas eu precisava te lembrar que filho é benção, é uma oportunidade de você ser tudo de bom que não foram com você. É oportunidade de pagar o mal com o bem e plantar essa semente nessa geração, tão carente de boas referências.
Feliz dia dos pais!

13 de janeiro de 2015

Palavras ao vento


Tem sempre um grito preso na minha garganta que eu não consigo soltar, tem sempre um carinho que eu deixo de demonstrar, tem sempre uma solidão pra esmagar o meu peito. Sempre tem uma insegurança guiando os meus passos, sempre tenho um amor desprezado e essa neurose de sofrer calado. Então me perdoe, meu bem. Perdoe se nem sempre sou paz, se nem sempre sou bonança e se na maioria das vezes, só sei ser tempestade. E eu chego mesmo é para tirar tudo do lugar. Para alagar seu apartamento, mandar suas certezas para o ralo, afogar todos os seus versos prontos, inundar seu estoque de paciência. A verdade é que eu estou muito longe de ser calmaria, baby. Eu sou um furacão.

Você merece


Você merece um punhado de coisas boas. Merece ter as flores de seu jardim sempre bem regadas e cuidadas. Merece ter a “companheira esperança” lado a lado contigo. E sem esquecer da “companheira fé”, também. Merece ter os seus dias mais coloridos e reluzentes. Merece acordar todas as manhãs e sentir o calor do sol que acabara de nascer aquecendo seu coração. Merece ter sempre um bocado de motivos para sorrir. Merece sentir que ama e é amado na mesma intensidade. Merece sonhar sem limites e realizar tudo de bom que o seu coração deseja. Merece, assim como qualquer outra pessoa, experimentar as diversas formas de ser feliz.

Intensidade


Eu sou essa tempestade toda, esses extremos e exageros. Não consigo ser nada mais do que sou. Não consigo fingir, nem fazer de conta. Não gosto de metades, ou é tudo ou é nada para mim. Sou profunda demais. Não fico meio triste ou meio alegre, não consigo ficar apaixonada pela metade. E isso me quebra às vezes, não são todos que conseguem conviver com a minha intensidade.

31 de dezembro de 2014

Aprendizados



Aprendi que a humildade mora em corações alados que não carregam o peso do orgulho. Que respeito é par constante da admiração. E que só a generosidade é capaz de descongelar sentimentos frios.

Futuro namorado





E pra nós, eu desejo, tudo de bom que houver nesse mundo. E que as cicatrizes de feridas antigas não nos impeça de confiar um no outro de olhos fechados. Que as dores de amores fracassados não nos faça desistir sem antes tentar. Que o medo da queda não seja maior que a vontade de voar. Que haja mais alegrias que tristezas, mais encantos que enganos e mais calmaria que confusão. Que seja bom, bonito e pleno. Que valha a pena e que seja doce. E que o medo do “adeus”, não nos impeça de dizer “olá” pra vida e pro nosso amor. Que o nó do nosso “nós”, nunca desate. Que tudo seja sempre sol e sombra fresca. Mas que possamos virar guarda-chuva nas noites de tempestade, caso o outro precise. Que sejamos nós e por nós, sempre.


Final de ano



O fim se aproxima e ainda não senti aquela velha ânsia de me encher de promessas possíveis que nunca são cumpridas. Desisti delas num outro verão. A nostalgia está só pela beirada, porque ainda não tive tempo de ficar melancólica com as luzinhas que piscam, com os olhares que brilham e com a esperança que se renova. É fato que, neste fim de ano, eu tenho tudo: menos tempo. Entre uma vírgula e outra, entre uma correria e outra, entre o arrastar das horas para que o expediente termine e eu possa saborear um copo de suco com prazer de "estou de férias" e não mais com aquele gostinho de "preciso descansar, socorro", venho pensando no ano que vem. Talvez tenha pensado por causa da retrospectiva que fiz do meu ano, quando me permiti refletir sobre tudo que foi, acabei emendando os nós e imaginando tudo que vem.
Ao contrário das expectativas dos últimos anos, para o próximo eu desejo tudo de menos. Desejo pra mim, desejo pra ti que lê este texto, desejo para o vizinho que dá bom dia, desejo para as famílias que crescem e se encolhem cada passar de ano. Eu desejo, para dois mil e quinze, um ano minimalista em muitos aspectos.
Quero menos distâncias entre amigos. Menos desculpas. Menos autoboicote, menos adiantamento de planos, menos estresse. Muito pouco estresse. Quase nada de estresse. Desejo menos brigas, menos desentendimentos, menos mágoas.
Menos partidas. É uma infinidade de menos que carrego no peito e um mantra que venho repetindo à dois dias e que continuarei até que o relógio toque meia-noite e anuncie um novo ano.
Desejo menos frustrações, desejo menos lágrimas tristes, desejo menos noites sem dormir e te desejo quase nada de pesadelos. Quero menos notícias ruins, nenhuma morte precoce — e toda morte é precoce — e menos rancor entre as famílias.
Menos orgulho. Dois mil e quinze pode ser mágico, se a gente parar de hiperbolar tanto os problemas. Parar de criar tempestades em gotas d'água. Parar de procrastinar. Desejo menos procrastinação, falando nisso. E menos peso. Que as coisas não se acumulem, que os sentimentos não sufoquem e desejo menos palavras entaladas na garganta.

Desejo tudo de menos, para que o ano seja demais. 



17 de dezembro de 2014

Aceite o término


Acabou. A-CA-BOU! Aceite isso de um vez por todas garota, coloque isso na cabeça antes que seja tarde demais. Retire-o do seu coração, limpe a bagunça que ele deixou ai. Tire a poeira dos quatro cantos e use amor novo para colar todos os pedaços no seu devido lugar. Abra as portas e as janelas, deixe o sol entrar e iluminar a escuridão, acender de novo essa chama que ele apagou quando partiu, preencher esse enorme vazio que te incomoda e te faz sentir incompleta.